02 novembro 2010

Reflita sobre a morte para ser feliz!!!

Nada mais oportuno do que na comemoração do Dia de Finados, escrever sobre um ponto muito importante para a nossa felicidade. Muitos possivelmente achem mórbido o tema, que ele não combina com felicidade, mas se enganam!!! Lembrar que a morte existe e que não sabemos “em que esquina ela vai nos beijar”, “e com que rosto ela virá” (música: canto para minha morte,de Raul Seixas) deve fazer parte da nossa planilha para sermos felizes.
É interessante observar que apesar de estarmos cansados de saber que a morte é um determinante imutável na vida de toda e qualquer pessoa; que desde que nascemos estamos envelhecendo, caminhando para morrer; que chega levando nossos vizinhos, também levará aqueles que amamos, ainda assim, nos esquivamos de falar e pensar sobre ela.
Se quiser ser feliz tanto quanto possa sê-lo, reflita sobre essa questão em sua vida. Todos os filósofos, nossos grandes mestres, são unânimes em afirmar que devemos pensar, refletir e debater sobre a morte, tendo a ciência que a nossa felicidade também dela depende, porque sem ela a vida perde o sentido.
Há em nós uma forte ambivalência entre a felicidade e a morte que nos leva a imensa insatisfação e infelicidade. Equivocadamente, colocamos a nossa felicidade em bens matérias, pessoas, dinheiro, status, fama, entre outros, sofremos por isso, pois sabemos que iremos perder tudo isso, e então, antes mesmos de conquistarmos a felicidade já a perderemos. Sofremos por antecipação, o que é pior!!!
 Ao mesmo tempo em que buscamos a felicidade sentimos a infelicidade por saber que iremos perdê-la. Isso é mais cruel que a morte! Essa também é uma das causas que faz com que as pessoas nunca se sintam plenas em relação à felicidade, pois as colocaram em coisas materiais, perecíveis, e que assim como as pessoas, um dia irão morrer, não a teremos mais.
Quanto menos pensamos na morte mais nos assombramos. É algo que está em nosso inconsciente coletivo. Impossível fugir de algo que está dentro de nós. Como não pensar em uma situação que é certeza em nossa vida e na vida das pessoas que amamos? Quanto mais pensamos, refletimos sobre a fragilidade da vida humana, mais valorizamos a vida que temos e as pessoas que amamos!!!
Sêneca já dizia que “aprender a viver não é mais que aprender a morrer”.
Se vivermos com crença de que amanhã não estaríamos mais nesse mundo, tenho certeza que seremos mais felizes hoje. De imediato tudo que conquistássemos ou que nos oferecessem, aceitaríamos com o coração aberto, pois não mais esperávamos por nada. Amanhã eu não veria mais o “milagre da vida” quando acordasse. A base da felicidade nos invadiria: o sentimento de gratidão.
Já imaginou o que as pessoas falariam de você em seu funeral? Como tem vivido sua vida até hoje? O que tem buscado? Em que valores têm investido suas ações? Será que sentiriam a sua falta? Por quanto tempo? O que deixou para registrar na vida dos que ficam?
Já parou para pensar que quem você ama vai morrer? Já disse a ela o quanto ela é importante na sua vida? Se esperar ela morrer talvez ela não te ouça. Ame-as mais, dedique mais tempo a eles, amanhã talvez eles não estejam aqui. Mas não os ame com apegos, exigências, dependências, simplesmente ame-os como são, e agradeça por fazerem parte da sua vida.
Como cantou Raul Seixas... “cada vez que me despeço de uma pessoa, pode ser que esta pessoa esteja me vendo pela última vez” (música:canto para minha morte). E como queremos deixar essa pessoa. Que sentimento dela levamos. Que lembrança terá de nós?
Não espere que eles morram para dar-lhes o devido valor!
Aproveite e se reconcilie!!! Seja rápido, desculpe ou peça desculpas. Não espere que o remorso e o sentimento de culpa te invadam depois que a pessoa partir. Se arrependa hoje. Um coração com magoas, remorsos,ressentimentos, não consegue ser feliz!!! Manter as emoções em equilíbrio e a consciência tranqüila são fundamentais para ampliarmos o sentimento de felicidade.
Viva a vida como se esse fosse o ultimo dia e agradeça a dádiva de viver!!!
A morte muito nos ensina no sentido de observarmos onde estamos depositando a nossa felicidade. Não podemos viver ignorando-a. Quando sobre ela refletirmos, conseguiremos verdadeiramente saber qual o sentido da existência humana, os valores as quais devemos entregar nossas buscas, o sentido de ser tão feliz quanto se possa.
Pense nisso!!!
Forte Abraço!!!